Peça remanufaturada ou recondicionada: quais são as diferenças?

Para o dono de oficina mecânica, estão claras as diferenças entre uma peça remanufaturada ou recondicionada? Ou quando suas aplicações representam um serviço de maior qualidade ou de custo-benefício? Essas e outras dúvidas terão respostas neste artigo. Fique conosco e saiba mais.

Tratando-se de empreendedorismo, muitas vezes traçar caminhos diferentes para grandes decisões significam maior economia e soluções assertivas. Algumas são mais adequadas para o momento, para a situação, enfim, por aquilo que você precisa.

Remanufaturadas ou recondicionadas?

Saber diferenciá-las é o primeiro passo para economizar e oferecer ao seu cliente os melhores serviços e os melhores preços. Ambas têm o seu valor de uso e cumprem funções em determinados casos. Ter a noção de como redirecioná-las para o seu melhor papel faz parte da inteligência operacional do seu negócio.

Quais sãos as diferenças entre elas?

A diferença básica entre peças remanufaturadas ou recondicionadas é que as primeiras são feitas em peças seminovas, produzidas por empresas especializadas por esse tipo de serviço, que visam reforçar toda a estrutura do componente, enquanto recondicionar significa reformar apenas a parte defeituosa da peça. Lembrando que lidar com os melhores fornecedores de autopeças é imprescindível.

Peças remanufaturadas

A remanufatura precede um conceito de reaproveitar uma peça que já foi utilizada e que por apresentar algum tipo de defeito, existe a possibilidade de reutilizá-la por meio de um processo de reforma integral em sua estrutura.

Esse procedimento carrega uma importância ecológica, já que de outra forma seria necessário transformar a composição da peça novamente em matéria-prima. O valor normalmente representa o desconto de até 50% por evitar a aquisição de uma peça nova. Sua durabilidade e garantia são praticamente as mesmas de peças novas. A diferença é que uma vez que uma peça foi remanufaturada não é permitido sua reutilização.

Peças recondicionadas

Peças recondicionadas representam seu processo de readequação um reaproveitamento da parte defeituosa, quando possível. A reforma é feita de modo que os componentes ou partes debilitadas sejam restaurados, tendo o valor de mercado com um desconto de cerca de 25% a 35% em relação a componentes novos.

Normalmente peças recondicionadas não apresentam garantia e se postas à venda ou para a utilização em algum serviço em oficina mecânica, devem ser devidamente explicitadas sobre sua natureza para o cliente. A vida útil desses componentes pode ser menor que a das peças remanufaturadas.

Qual a melhor opção?

Como toda a escolha, depende da ocasião. Por um lado, peças remanufaturadas apresentam confiança de centros especializados ou mesmo do próprio fabricante, além de levarem consigo garantia, maior durabilidade e melhor preço. Devem ser a primeira opção, desde que alinhadas a fornecedores de confiança.

Não é necessário, porém, descartar imediatamente a utilização de peças recondicionadas, já que em situações emergenciais, onde só há esta opção no momento — no caso de um reparo de beira de estrada, ou da urgência de uma viagem importante, por exemplo — a economia pode ser bem-vinda. Mas lembre-se de alertar sempre ao seu cliente a natureza desse tipo de componente, além de oferecer-lhe opções mais seguras e viáveis. Imprescindível também trabalhar com peças recondicionadas de procedência impecável.

E aí? Já se decidiu entre trabalhar com peças remanufaturadas ou recondicionadas para seu negócio? Compartilhe este artigo nas redes sociais e espalhe a palavra.

257

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *